quinta-feira, agosto 18

IJEP ACADÊMICO

Ensaios, Artigos e Produções Acadêmicas
dos membros didatas e membros analistas
do Instituto Junguiano de Ensino e Pesquisa.

Arte ou loucura? Difícil dizer quando se está na frente de uma peça produzida por Bispo do Rosário. Nascido em 1911 em Sergipe, ele se mudou para o Rio de Janeiro, onde em 1938 teve seu primeiro surto psicótico. Foi diagnosticado como esquizofrênico paranoico. Entre 1940 e 1960, alternou períodos de internação e de moradia em outros lugares até se internar na Colônia Juliano Moreira em 1964, onde ficou até morrer em 1989. Talvez a resposta seja uma arte divinamente louca. No melhor sentido. Boa leitura!

Professores do IJEP

Selecionados da semana

A terapia sexual normalmente segue as bases da terapia cognitivo comportamental, medicação, etc, aqui será tratada a ejaculação precoce. Após a terapia os sintomas podem desaparecer mas passado um tempo costumam reaparecer. Sendo assim é importante agregar a terapia junguiana para resignificar o complexo causador da ejaculação precoce para que não haja recidivas ou sintomas em outra localização.

Veja mais

A terapia sexual normalmente segue as bases da terapia cognitivo comportamental, medicação, etc, aqui será tratada a ejaculação precoce. Após a terapia os sintomas podem desaparecer mas passado um tempo costumam reaparecer. Sendo assim é importante agregar a terapia junguiana para resignificar o complexo causador da ejaculação precoce para que não haja recidivas ou sintomas em outra localização.

Teoria Junguiana

Vivemos uma morte de tudo que conhecíamos. Assistimos a morte de milhares de pessoas no mundo e, no paralelo, discutimos o futuro da economia. Mas a economia depende dos vivos. Nesse embate, não há como não lembrar de Antígona, a tragédia de Sófocles. É a ela que recorremos nesse ensaio para propor uma reflexão com o que hoje estamos enfrentando com essa pandemia.

Prateleiras de super-mercados abarrotadas. Vastas áreas em reluzentes shopping centers lançando apelos ao consumo… Consumo e mais consumo, sempre acenado como viabilizado por sorridentes anunciantes de cartões de crédito. Autonomia. O mundo da fartura sem compromisso com a origem dos produtos, com a remuneração de quem os fabricou, transportou, de quem os está vendendo. Nem com os resíduos produzidos no processo. Engajamento total na compra de uma imagem. A construção de uma persona de aparência feliz e integrada ao mundo hiperdigital em que vivemos. E tudo tão fácil, tão aparentemente ao alcance das mãos, de um gesto. De um clique. As dívidas e dúvidas… Ficam para amanhã. Vamos a qualquer lugar com um piscar de olhos, com um telefonema, com a consulta a um site na internet.

Continue lendo

Este artigo busca explorar a performance artística das drag queens. Buscando entender a relação com o feminino interior dos artistas e seu impacto no público. Como manifestação artística, entende-se que a performance apresenta aspectos inconscientes e que podem nos ajudar a entender a relação com o feminino, principalmente nos homens gays.